A vez do protesto do setor produtivo brasileiro

Voltar

Sindicato

Após milhares de estudantes, professores, empresários e sociedade irem para as ruas pedir por melhores condições de saúde, educação e menos corrupção no país, agora é vez do setor produtivo nacional mostrar sua força e mandar o recado aos governantes.   

Produtores rurais do Estado do Mato Grosso do Sul se organizaram para ficar um mês sem entregar produtos primários ao mercado, a ideia surgiu do produtor rural Glauco Mascarenhas e tem como objetivo o propósito de obrigar, de forma lícita e robusta, a outorga de poder político ao setor primário do Brasil e dar à Frente Parlamentar da Agropecuária uma ferramenta de poder, nos moldes dos países desenvolvidos, de forma que a torne forte o suficiente para não depender de barganha na tomada de decisão nos rumos do desenvolvimento brasileiro e, para que o setor mais importante na geração de divisas ao Brasil, não tenha que se vergar ante qualquer governo, diante de sua linha ideológica seja ela qual for.

Trata-se de um movimento de base denominado “SEMANA DA DEPENDÊNCIA” que conciste na suspensão de fornecimento de gêneros alimentícios, principalmente carne e grãos, nos períodos predeterminados, para que haja necessidade de atenção a determinadas ações governamentais que estão sendo negligenciadas, seja por falta de interesse político, seja por atitudes criminosas corriqueiras do governo ou pela sua costumeira falta de capacidade intelectual.
 
O primeiro ato de suspensão foi planejado para o período de 20 de agosto a 20 de setembro de 2013, cujo ápice do desabastecimento se dará na semana da pátria, no feriado do Dia da Independência. Daí o nome do movimento, com uma alusão clara de que o país ‘depende’ do produtor rural para existir.

É um movimento político sólido, que visa exclusivamente, tornar-se uma ferramenta política eficaz a disposição do parlamento da produção agropecuária diante de qualquer governo. Todo produtor rural brasileiro deseja participar da realização de seus anseios, quer organizar o setor produtivo e influenciar nas decisões de governo nas questões nacionais e internacionais.
 
No Estado de Rondônia segundo o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Vilhena e Chupinguaia, Gustavo José Sartor, somente alguns produtores rurais estão se organizando para participar efetivamente do movimento nacional. “Faltou uma federação forte, uma federação que buscasse o entendimento e o diálogo e que fosse mais comprometida com o movimento nacional. Ficamos sabendo e corremos atrás, mas como temos nossas atividades no campo ficamos retidos e não tivemos tempo de buscar esse intercambio entre a organização do evento e nossos produtores”.
 
Fica aqui claramente evidenciada, mais uma vez, a falta de comprometimento de nossa instituição para com a classe dos produtores rurais que atualmente, não se sentem representados pela sua própria federação  que inclusive, encontra-se sob fortes suspeitas e deve ser investigada.
 
Como disse em carta aberta aos produtores rurais, enviada por e-mail, pelo organizador do movimento, “A ação se desenvolve a partir do empenho de cada um. No início éramos eu e uma ideia que se tornou projeto e hoje se pode apalpar”.
 
 Para maiores informações, leia o manifesto de abertura do movimento no link abaixo e assista aos vídeos no portal da campanha e em nossa galeria de vídeos.
http://semanadadependencia.com.br/sobre-a-semana-da-dependencia/manifesto-inaugural-da-semana-da-dependencia
 
Fonte: Semana da Dependência
Texto e adaptação: Dhiony Costa e Silva/P.B.
Imagens: Semana da Dependência
Vídeo: Agrobrasiltv

A vez do protesto do setor produtivo brasileiro

20/08/2013

Após milhares de estudantes, professores, empresários e sociedade irem para as ruas pedir por melhores condições de saúde, educação e menos corrupção no país, agora é vez do setor produtivo nacional mostrar sua força e mandar o recado aos governantes.   

Produtores rurais do Estado do Mato Grosso do Sul se organizaram para ficar um mês sem entregar produtos primários ao mercado, a ideia surgiu do produtor rural Glauco Mascarenhas e tem como objetivo o propósito de obrigar, de forma lícita e robusta, a outorga de poder político ao setor primário do Brasil e dar à Frente Parlamentar da Agropecuária uma ferramenta de poder, nos moldes dos países desenvolvidos, de forma que a torne forte o suficiente para não depender de barganha na tomada de decisão nos rumos do desenvolvimento brasileiro e, para que o setor mais importante na geração de divisas ao Brasil, não tenha que se vergar ante qualquer governo, diante de sua linha ideológica seja ela qual for.

Trata-se de um movimento de base denominado “SEMANA DA DEPENDÊNCIA” que conciste na suspensão de fornecimento de gêneros alimentícios, principalmente carne e grãos, nos períodos predeterminados, para que haja necessidade de atenção a determinadas ações governamentais que estão sendo negligenciadas, seja por falta de interesse político, seja por atitudes criminosas corriqueiras do governo ou pela sua costumeira falta de capacidade intelectual.
 
O primeiro ato de suspensão foi planejado para o período de 20 de agosto a 20 de setembro de 2013, cujo ápice do desabastecimento se dará na semana da pátria, no feriado do Dia da Independência. Daí o nome do movimento, com uma alusão clara de que o país ‘depende’ do produtor rural para existir.

É um movimento político sólido, que visa exclusivamente, tornar-se uma ferramenta política eficaz a disposição do parlamento da produção agropecuária diante de qualquer governo. Todo produtor rural brasileiro deseja participar da realização de seus anseios, quer organizar o setor produtivo e influenciar nas decisões de governo nas questões nacionais e internacionais.
 
No Estado de Rondônia segundo o presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Vilhena e Chupinguaia, Gustavo José Sartor, somente alguns produtores rurais estão se organizando para participar efetivamente do movimento nacional. “Faltou uma federação forte, uma federação que buscasse o entendimento e o diálogo e que fosse mais comprometida com o movimento nacional. Ficamos sabendo e corremos atrás, mas como temos nossas atividades no campo ficamos retidos e não tivemos tempo de buscar esse intercambio entre a organização do evento e nossos produtores”.
 
Fica aqui claramente evidenciada, mais uma vez, a falta de comprometimento de nossa instituição para com a classe dos produtores rurais que atualmente, não se sentem representados pela sua própria federação  que inclusive, encontra-se sob fortes suspeitas e deve ser investigada.
 
Como disse em carta aberta aos produtores rurais, enviada por e-mail, pelo organizador do movimento, “A ação se desenvolve a partir do empenho de cada um. No início éramos eu e uma ideia que se tornou projeto e hoje se pode apalpar”.
 
 Para maiores informações, leia o manifesto de abertura do movimento no link abaixo e assista aos vídeos no portal da campanha e em nossa galeria de vídeos.
http://semanadadependencia.com.br/sobre-a-semana-da-dependencia/manifesto-inaugural-da-semana-da-dependencia
 
Fonte: Semana da Dependência
Texto e adaptação: Dhiony Costa e Silva/P.B.
Imagens: Semana da Dependência
Vídeo: Agrobrasiltv