Voltar

Meio Ambiente

No módulo de agosto, o curso de formação de agentes sanitários juniores, realizado em Presidente Médici, discutiu sobre o uso de agrotóxico. O tema foi escolhido em comemoração ao Dia Nacional do Campo Limpo (DNCL). O curso é uma realização da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) em parceria com as escolas Irmã Dorothy Stang e Cerejeiras.  
 
Nas palestras, os alunos aprenderam sobre o uso correto de agrotóxicos, as medidas de segurança necessárias, uso de equipamento de proteção individual (EPI), perigo que estes produtos representam para as crianças, problemas que podem ocorrer devido ao uso incorreto, período de carência e sobre a importância de devolver as embalagens vazias.
 
Em todos os meses da formação os alunos discutem um tema e desenvolvem trabalhos escolares relacionados para concluir o módulo. Neste caso, os alunos da Escola Irmã Dorothy, farão desenhos e os alunos da Escola Cerejeiras irão elaborar uma redação sobre o uso de agrotóxicos nas propriedades em que residem e o que pode ser feito para que o uso seja mais seguro e causar menos impacto ao meio ambiente.
 
 “É muito importante discutir sobre isto com as crianças porque elas convivem com o perigo do agrotóxico a todo momento. Além disso, elas podem repassar as informações para a comunidade e para os pais”, diz o engenheiro agrônomo João Paulo Souza Quaresma.
 
O chefe da Unidade da Idaron de Presidente Médici, Silvio Regis Rodrigues, diz que o agrotóxico é um recurso e muitas vezes ele é usado como extrema necessidade. “Estamos trabalhando com as crianças porque elas são os futuros produtores e nós esperamos que eles produzam com mais consciência”.
 
 “A criança está associada ao futuro, mas para a educação sanitária ela é o presente. No campo ela está ligada à atividade econômica da família. Por isto estamos investindo nelas”, encerra o presidente da Idaron, Marcelo Henrique Borges.
 
Texto: Amabile Casarin
Foto: Idaron/Presidente Médici
Fonte: Idaron

10/09/2013

No módulo de agosto, o curso de formação de agentes sanitários juniores, realizado em Presidente Médici, discutiu sobre o uso de agrotóxico. O tema foi escolhido em comemoração ao Dia Nacional do Campo Limpo (DNCL). O curso é uma realização da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril do Estado de Rondônia (Idaron) em parceria com as escolas Irmã Dorothy Stang e Cerejeiras.  
 
Nas palestras, os alunos aprenderam sobre o uso correto de agrotóxicos, as medidas de segurança necessárias, uso de equipamento de proteção individual (EPI), perigo que estes produtos representam para as crianças, problemas que podem ocorrer devido ao uso incorreto, período de carência e sobre a importância de devolver as embalagens vazias.
 
Em todos os meses da formação os alunos discutem um tema e desenvolvem trabalhos escolares relacionados para concluir o módulo. Neste caso, os alunos da Escola Irmã Dorothy, farão desenhos e os alunos da Escola Cerejeiras irão elaborar uma redação sobre o uso de agrotóxicos nas propriedades em que residem e o que pode ser feito para que o uso seja mais seguro e causar menos impacto ao meio ambiente.
 
 “É muito importante discutir sobre isto com as crianças porque elas convivem com o perigo do agrotóxico a todo momento. Além disso, elas podem repassar as informações para a comunidade e para os pais”, diz o engenheiro agrônomo João Paulo Souza Quaresma.
 
O chefe da Unidade da Idaron de Presidente Médici, Silvio Regis Rodrigues, diz que o agrotóxico é um recurso e muitas vezes ele é usado como extrema necessidade. “Estamos trabalhando com as crianças porque elas são os futuros produtores e nós esperamos que eles produzam com mais consciência”.
 
 “A criança está associada ao futuro, mas para a educação sanitária ela é o presente. No campo ela está ligada à atividade econômica da família. Por isto estamos investindo nelas”, encerra o presidente da Idaron, Marcelo Henrique Borges.
 
Texto: Amabile Casarin
Foto: Idaron/Presidente Médici
Fonte: Idaron