Voltar

Setor

Domínio Rural: Governador, quais os planos para o agronegócio de Rondônia?

Confúcio Moura: Os planos são: o incentivo, a assistência técnica, a busca ao crédito, e o crédito esta farto, agora mesmo entrou mais um agente financeiro, a caixa econômica federal.Eu acho que tem uma sobra de dinheiro no mercado para o agronegócio e para a agricultura familiar, também para o pequeno chacareiro. Cada nível econômico tem o crédito correspondente.

Outro plano nosso é a produção de calcário para o próximo ano, quando atingiremos uma produção de 800 mil toneladas ano, calcário mais barato, porque o calcário que vem do Mato Grosso chega aqui muito caro. Com o calcário sendo produzido aqui em Pimenta Bueno chegará a Vilhena por cerca de 40 a 50 reais a tonelada.

Domínio Rural: Governador, mesmo com credito disponível, um grande problema para o produtor no Brasil e principalmente em Rondônia, é a falta de documentação para acessá-lo. O que o governo está fazendo para resolver este problema?
 

Confúcio Moura: Já estamos resolvendo, e vamos lançar aqui em Vilhena hoje mesmo, o cadastro ambiental rural – CAR. Com o cadastro ambiental rural o agricultor já pode chegar no banco e apresentar pois o mesmo já é aceito como documento hábil para angariar o financiamento. O CAR é rápido pode ser feito em 40 minutos, é só o produtor procurar a Emater ou Sedam e fazer o cadastro. E de posse deste documento o agricultor já tem os bancos de portas abertas para ele.

O segundo tempo é a regularização rural, que é a escritura e registro definitivo do imóvel. Nós temos uma grande solenidade para o final de novembro onde iremos entregar 5 mil escrituras gratuitas pra posseiros, meeiros, e qualquer nível de agricultor que não tenha ainda seu documento. Então estamos fazendo muita coisa para dar base aos agricultores para se desenvolverem.
 
Domínio Rural:  Alguns bancos não estavam aceitando o CAR como documento de acesso aos créditos, o governo solucionou esse problema junto aos bancos?
 
Confúcio Moura: Isso acontece em alguns bancos, mas, depois que a Emater, o Sedam e o secretário da agricultura os procuram, eles conseguem fechar os acordos e aceitam o documento de posse, e quando é o Incra mesmo que expede o título provisório junto com o CAR já respalda né, e isso já é bom.

O CAR é a porta de entrada para regularização, e nós já estamos trabalhando muito aqui no Cone-Sul, lá no Vale do Guaporé, Machadinho do Oeste, Buritis, União Bandeirantes e em Porto Velho, muitas linhas de regularização de terras em Rondônia. Quanto atingirmos a regularização a riqueza de Rondônia vai dobrar em cinco anos.
 
Domínio Rural: E quanto a usina de calcário, já está funcionando governador?
 
Confúcio Moura: Ainda não, uma delas entra em funcionamento em novembro.
 
Domínio Rural: Tinha previsão para setembro, atrasou?
 
Confúcio Moura: Houve uma falha, no financiamento do BNDS que é o órgão pagador, já está tudo regularizado, mas ele ainda não liberou o financeiro. Nós pedimos, mas houve um atraso, até mandei a empresa segurar um pouco, justamente por causa deste atraso, assim que liberarem o dinheiro eu pago e ai  poderá montar todos os equipamentos.

Domínio Rural: Então em novembro o produtor rural já poderá contar com calcário rondoniense?
 

Confúcio Moura: Sim, eu acredito que até lá já estaremos em condições.

Entrevista ao site Domínio Rural foi nesta sexta-feira 13 de setembro de 2013, durante lançamento do Programa de Aquisição de Alimentos - PAA em Vilhena. 
 

14/09/2013

Domínio Rural: Governador, quais os planos para o agronegócio de Rondônia?

Confúcio Moura: Os planos são: o incentivo, a assistência técnica, a busca ao crédito, e o crédito esta farto, agora mesmo entrou mais um agente financeiro, a caixa econômica federal.Eu acho que tem uma sobra de dinheiro no mercado para o agronegócio e para a agricultura familiar, também para o pequeno chacareiro. Cada nível econômico tem o crédito correspondente.

Outro plano nosso é a produção de calcário para o próximo ano, quando atingiremos uma produção de 800 mil toneladas ano, calcário mais barato, porque o calcário que vem do Mato Grosso chega aqui muito caro. Com o calcário sendo produzido aqui em Pimenta Bueno chegará a Vilhena por cerca de 40 a 50 reais a tonelada.

Domínio Rural: Governador, mesmo com credito disponível, um grande problema para o produtor no Brasil e principalmente em Rondônia, é a falta de documentação para acessá-lo. O que o governo está fazendo para resolver este problema?
 

Confúcio Moura: Já estamos resolvendo, e vamos lançar aqui em Vilhena hoje mesmo, o cadastro ambiental rural – CAR. Com o cadastro ambiental rural o agricultor já pode chegar no banco e apresentar pois o mesmo já é aceito como documento hábil para angariar o financiamento. O CAR é rápido pode ser feito em 40 minutos, é só o produtor procurar a Emater ou Sedam e fazer o cadastro. E de posse deste documento o agricultor já tem os bancos de portas abertas para ele.

O segundo tempo é a regularização rural, que é a escritura e registro definitivo do imóvel. Nós temos uma grande solenidade para o final de novembro onde iremos entregar 5 mil escrituras gratuitas pra posseiros, meeiros, e qualquer nível de agricultor que não tenha ainda seu documento. Então estamos fazendo muita coisa para dar base aos agricultores para se desenvolverem.
 
Domínio Rural:  Alguns bancos não estavam aceitando o CAR como documento de acesso aos créditos, o governo solucionou esse problema junto aos bancos?
 
Confúcio Moura: Isso acontece em alguns bancos, mas, depois que a Emater, o Sedam e o secretário da agricultura os procuram, eles conseguem fechar os acordos e aceitam o documento de posse, e quando é o Incra mesmo que expede o título provisório junto com o CAR já respalda né, e isso já é bom.

O CAR é a porta de entrada para regularização, e nós já estamos trabalhando muito aqui no Cone-Sul, lá no Vale do Guaporé, Machadinho do Oeste, Buritis, União Bandeirantes e em Porto Velho, muitas linhas de regularização de terras em Rondônia. Quanto atingirmos a regularização a riqueza de Rondônia vai dobrar em cinco anos.
 
Domínio Rural: E quanto a usina de calcário, já está funcionando governador?
 
Confúcio Moura: Ainda não, uma delas entra em funcionamento em novembro.
 
Domínio Rural: Tinha previsão para setembro, atrasou?
 
Confúcio Moura: Houve uma falha, no financiamento do BNDS que é o órgão pagador, já está tudo regularizado, mas ele ainda não liberou o financeiro. Nós pedimos, mas houve um atraso, até mandei a empresa segurar um pouco, justamente por causa deste atraso, assim que liberarem o dinheiro eu pago e ai  poderá montar todos os equipamentos.

Domínio Rural: Então em novembro o produtor rural já poderá contar com calcário rondoniense?
 

Confúcio Moura: Sim, eu acredito que até lá já estaremos em condições.

Entrevista ao site Domínio Rural foi nesta sexta-feira 13 de setembro de 2013, durante lançamento do Programa de Aquisição de Alimentos - PAA em Vilhena.